Os 13 Porquês, de Jay Asher

Travei ao ler os 13 porquês. Queria discutir sobre o livro mas, como abordar um assunto como o suicídio sem ficar pessoal demais? Não que eu tenha tentado, embora isso já tenha passado pela minha cabeça milhares de vezes, e eu não tenho vergonha alguma em dizer isso abertamente. E já me imaginei cortando os pulsos com a faca de plástico do bolo pullman de chocolate branco. Mas, ironias a parte, acho saudável questionar a vida, pensar na morte vez ou outra, porque não? Não há nada de errado nisso. Somos seres incrivelmente complexos, jogados nesse mundo sem nenhum manual de instruções, apenas com instinto de sobrevivência e um monte de leis criadas por outras pessoas que mal conhecemos.

Cada um tem o poder de decidir o que fazer com a própria vida, isso inclui acabar com ela. A escolha é sempre nossa. Mas na prática, saber que alguém realmente foi capaz de se auto destruir, sempre fez com que eu pensasse mais ainda se realmente a nossa existência tem algum propósito maior do que acordar as 5 da manhã para trabalhar todos os dias.

Alguns desses questionamentos vem a tona ao ler o livro. Em os 13 porquês, conhecemos um pouco da história de Hannah Baker, que antes de se suicidar gravou 13 fitas e tomou o cuidado de garantir que elas chegariam aos seus destinatários após a sua morte. Aqueles que receberem as fitas significa que estão nelas, sendo assim, fazem parte dos 13 motivos que a levaram ao suicídio, tudo explicado por ela em 13 fitas cassete. O primeiro que recebe deve escutar até sua fita, ou todas se quiser, e postar no correio para o próximo da lista.

Mas nosso personagem principal é Clay, um garoto que estudou com Hannah, e não se conformou ao imaginar que poderia ser um motivo a mais para Hannah se matar. Mas ele precisa escutar muitas fitas, pela ordem, até saber o que ele fez, o que torna a leitura extremamente instigante.

O modo com que o autor desenvolve os diálogos, diferente do que eu imaginava, e que fizeram toda a diferença, garantindo que o livro fosse mesmo um sucesso, e o fato de serem fitas cassetes, fazem a história ainda mais dramática e emocionante. Embora ela seja uma adolescente, a dor e a ironia com que ela descreve os motivos do seu suicido faz a gente mergulhar no nosso intimo, relembrando momentos e dores similares.

É um livro curto, emocionante, e que mostra a consequência de quem sofre bullying, e como tudo vai mudando, pouco a pouco, até que você se veja incapaz de continuar. A gente nunca sabe o impacto que causa na vida de alguém, e as vezes parece até que competimos pra ver quem tem a história de vida mais dramática e triste, se recusando a enxergar a fragilidade do outro. Esquecemos que a vida é feita de momentos e sensações que se acumulam e podem mudar a percepção de uma pessoa sobre si mesma completamente.

Não pensei que gostaria tanto assim dele, e daria com certeza 5 nuvenzinhas para o livro.

Mais:
– Achei o livro – aqui.

7 Thoughts on “Os 13 Porquês, de Jay Asher

  1. Eu estou louca para ler esse livro e não encontrava ninguém no Skoob trocando… felizmente você postou um link com o arquivo do livro! ~:

    A resenha tá perfeita e só me deixou com mais vontade de ler.

  2. Esse livro tem na Biblioteca da minha escola, so que quando vi ele eu ja havia pegado um livro, e quando voltei pra pegar ele alguem ja tinha pegado, acho que consigo pegar ele essa semana

  3. Camila on julho 10, 2013 at 12:44 pm said:

    Por favor se vc tiver este livro em pdf me manda por e-mail..

  4. Pingback: Suicidas, de Raphael Montes | Goticity | Açúcar, tempero e tudo que há de bom!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Post Navigation