Categorias: Comportamento

A louca da Alyssa Hamilton

Fuçando minha maleta de cds do “nunca obsoleto” PS2, encontrei alguns jogos interessantes com garotas em ação, seja puxando o gatilho ou correndo de medo, elas marcam presença e não precisam de nenhum Leon salvador da pátria em suas vidas. Dentre os 4 jogos que encontrei selecionei para hoje o Clock Tower 3.


O jogo foi lançado pela Capcom em 2003 e dizem que a ideia de Clock Tower era ser o novo Silent Hill, ou seja, abusaram do terror psicológico, mas infelizmente chega a ser cansativo em certos momentos, já que Alyssa vive correndo do inimigo, sem grandes surpresas. Em algumas partes me lembrava de RE3, sabe quando andamos pelo casarão, meio boring, sem nada pra fazer e de repente o Nemesis quebrava uma parede, o som do jogo mudava e o panico se instalava em nós? Sabíamos que a coisa mais inteligente a se fazer era vazar. Com Clock é parecido.



A história é sobre a já mencionada Alyssa, uma jovem de 14 anos que vive em um colégio interno. Ela é alertada por sua mãe a não voltar pra casa antes de completar 15 anos, mas fica tão preocupada quee resolve ignorar o estranho pedido de sua mãe e voltar para casa mais cedo. Coisas estranhas acontecem, como algumas aparições de fantasmas e o sumiço de sua mãe. E a partir daí se inicia o pesadelo de Alyssa, onde ela se torna vítima de uma maldição da sua família.

Alyssa é tão medrosa que em determinado momento achei que apareceria a opção (mijando de medo), até porque ela não tem porte de armas nem sabe lutar karate, mas é perita na arte de correr feito louca. Mas não vamos falar mal dela, afinal, o que você faria se fosse apenas uma jovem inocente e assustada garota, jogada em um cenário fantasmagórico, além de ser perseguida por um ogro pedófilo homicida? Tenso!



Mas não se engane, por baixo dessa doce menina existe (uma sem vergonha de micro saia que fica se jogando no chão em poses sensuais) um coração valente, que aparece ao longo do jogo, a medida que Alyssa ganha algumas habilidades, claro.





De acordo com a desciclopédia foi Jaiminho quem entregou a carta da mãe de Alyssa, e criativos que só eles, conseguiram inserir até Adolf Hitler na história.

O Ex-namorado em: “A volta de quem nunca foi”


Acredito que só este título já lhe causou um frio espinha. Mas agora imagine que você está sonhando com coisas felizes, seu futuro marido (atual namorado), seus filhos perfeitos e saudáveis brincando em um jardim cheio de orquídeas e rosas. A paz reina e você finalmente está feliz, de repente seus filhos fogem ao seu radar, assim como seu marido. O céu muda radicalmente e aquele lindo dia de sol se transforma na noite mais escura que já viu, nem estrelas aparecem para iluminar no céu.

Então você percebe que está em um cemitério, uma névoa se forma e dela surge um vulto. Um morto vivo levantando de sua tumba e seguindo em sua direção. Seu coração dispara e você pressente o perigo chegando, afinal o sexto sentido feminino não mente, nunca. De repente a criatura chega até você e para maior espanto ele é familiar. Já não é mais um vulto, você sabe muito bem quem é mas se esforça para não acreditar. Ele não consegue te olhar nos olhos mas continua se aproximando, eis que sofridamente balbucia algumas frases curtas mas de efeito, como: “Se arrependimento matasse…” ou “ainda sinto sua falta…” e por fim “volte para mim…”, frases que causam uma sensação de pavor e desespero como nenhum filme de terror jamais poderia descrever.

E você acaba de acordar de um pesadelo que provavelmente te seguirá por dias a fio.

Rompimentos são difíceis, mas não é atoa que são necessários. As vezes precisamos enterrar nosso passado e abrir espaço para o futuro, faz parte da evolução humana.
E não importa como acabou, ou quem terminou, muito menos se você hackeou todas as contas de e-mail dele, e depois se fingiu de vitima. A coragem não está em terminar, e sim se manter firme sobre sua decisão.

E quem dera se fossemos assim,  já que não podemos evitar decepções, que sejam passageiras pelo menos, ou melhor, bem resolvidas. Mas o mal nos assombra, e todas estamos suscetíveis a ligações “anonimas” em um sábado ensolarado, onde a única coisa captada do outro lado da linha é a respiração ofegante e perturbadora daquele ser maligno, cujo objetivo é apenas ouvir o som de nossa voz, mesmo que no fim gritemos algo do tipo “leave me alone motherfucker”, ou o clássico “go to hell, loser”.

Ou mesmo e-mails despretensiosos com um “Olá, a quanto tempo não nos falamos”, palavras essas que traduzem todo o momento forever alone em que aquele ser humano, que um dia foi alegre e cheio de vida, se encontra no momento.

Me arrisco a dizer e acredito que poucas se identificarão, com cartões de aniversário online enviados pela ex sogra, que talvez esteja ainda no estágio de negação. Terá ela sido movida de compaixão e boa fé? Ou foi apenas um truque de aproximação para verificar como anda realmente a situação? Técnica sutil, porém não muito eficaz.

Em determinadas partes do ano entramos nessa época de caos, onde a escuridão reina, e o ex sempre nos ronda procurando alguma falha em nossos escudos de proteção afim de penetrar em nosso ser e conquistar nossos corações (é, nessa ordem).

Mas a vida é uma luta, é um livro de aventuras, e o que podemos e devemos fazer é encarar todos os testes psicológicos aos quais somos submetidas, sempre com honra e sabedoria. Ou seja, sacanear o ex sempre que possível, sem que isso comprometa sua atual situação amorosa, afinal, a vida é curta demais pra ficarmos nos lamentando por rompimentos e nos estressando com a volta daquele que nunca nos abandonou realmente.

É ou não é?

4 Qualidades que todo homem deve(ria) ter

Sabemos que não importa o quanto a gente procure pelo homem perfeito, sempre chegaremos a conclusão de que ele não existe. Sinceramente eu adoro as diferenças, manias estranhas e a falta de jeito que os homens tem pra certas coisas. Não existe o perfeito, existe o ideal.

Mas isso não significa que não devemos ter expectativas com nossos homens. Por isso elaborei uma lista essencial de qualidades-obrigações que eles devem ter conosco:


1- Pedicure com conhecimentos de nail art – Todo homem deve ter coordenação motora suficientes para pintar nossas unhas dos pés. Você que gosta de cuidar das unhas em casa não vai querer entortar a coluna nesta quase arte de pintar os dedos baixos, principalmente depois de um dia cansativo de trabalho. Alias, merecemos trabalho completo com direito a corte de unha encravada e hidratação com a cerinha da granado.

Já pensou que legal pedir pro seu namorado-marido-enrosco fazer uma nail art do game preferido dele?

2- Chefe de cozinha – Um homem que se preze deve por obrigação saber preparar a própria comida, sendo assim, não custa nada aumentar a quantidade e preparar para dois 😉

3- Depilador – Calmaaaa que eu explico. Se você faz depilação das pernas em casa e com cera quente provavelmente já desejou que tivesse alguém mais corajosa que você na hora de puxar aquele papel maldito e quente de suas pernas, que estavam no mínimo 3 meses sem ver uma gilete. Nessa hora ele pode ajudar. Peça com delicadeza e caso não funcione diga pra ele relembrar os momentos de fúria quando estavam discutindo a relação. Menina, ele vai puxar tão rápido e com tanta força que o trabalho vai ficar melhor que de uma esteticista profissional. E ambos ficaram satisfeitos E aliviados do stress. É quase uma DR!

4- Massagista – Quem não gosta de uma massagem do gato? Principalmente nas costas e nos pés com aqueles mega calos e joanetes que não vão se massagear (lixar) sozinhos.

Fico por aqui! Deixe a sua opinião também, vamos incrementar essa lista.

Garotas medrosas…

Vamos a cena:

“Você está em casa num sábado a noite (no boyfriend, no social life), batendo um canal básico (típico comportamento masculino), eis que surge o Massacre da Serra Elétrica.
Agoniada, automaticamente entra em pânico, sentindo seu coração pular pra garganta, a cabeça girando, sua vida passa diante de seus olhos. Você, como uma mulher forte tenta se acalmar e recuperar o fôlego, e quase que deixando o controle remoto cair de suas mãos, mas com firmeza, consegue apertar o botão para mudar de canal. Paz total, você sente que está novamente no “controle” de suas emoções. Feliz e agora totalmente relaxada você olha para a televisão com um sorriso de vitória….uma comédia romântica está no ar, e você está segura, ufaa…”

Exagerei? Calma, esse pequeno texto foi baseado em conversas com meus amigos do sexo masculino. E por mais que eu queira alfinetar os rapazes hoje, tenho que concordar que essa dramatização não é tão exagerada quanto parece.

Eu por exemplo, assisti no cinema todos os jogos mortais, degustando um delicioso e engordativo big x picanha mal passada e fritas (várias mordidas no hamburguer enquanto pessoas eram estripadas, hummm), mas não posso ver uma barata que entro em pânico, faço a subidinha da cadeira, tudo com muita classe (NOT), lógico.

Homens e mulheres vivem discutindo sobre isso, cada um joga seus argumentos e no final ouvimos que: “somos mulheres, é comum sentir medo.” Mas não me importo realmente com isso. Pois, enquanto houverem homens, que na primeira dor de barriga acham que estão com câncer intestinal (conhece o tipo frágil?), nós estaremos subindo em seus colos e gritando estéricamente: barataaaaaaaa…mataaaa!

E assim mantemos o equilíbrio do universo.

Quem quiser pode assistir a versão original de 1974 do massacre da serra elétrica, um cult extremamente aterrorizante. (assista online aqui)
E não esqueçam de segurar a mão de seus namorados/maridos nos momentos tensos, assim eles não sentirão medo. 😉